Técnica milenar
para a recuperação
e tratamento de
animais de pequeno,
médio e grande porte.

Contato
(51) 8209.3578

Dra. Daniela Lewgoy
Médica Veterinária CRMV-RS: 8442

Dúvidas Frequentes

- Os animais aceitam bem as agulhas de acupuntura?

Sim, a grande maioria aceita bem as agulhas, e inclusive relaxam e chegam a dormir durante a sessão.

- E se o meu animal, que é muito agitado, não permitir a realização da sessão de acupuntura? Ele precisa ser anestisiado, ou sedado?

Se realmente o animal não permitir colocar as agulhas, utilizamos outros métodos de tratamento como o laser, moxabustão, acupressão e a fitoterapia para tentarmos chegar a um bom resultado. De maneira nenhuma o animal será anestesiado ou sedado, pois é necessário ver e sentir a reação do animal a cada agulha colocada, saber se ele está confortável e medir sua resposta ao tratamento mesmo durante a realização da sessão.


- A acupuntura feita nos animais é a mesma que se faz em seres humanos?

Sim, a teoria da acupuntura que é baseada na MTC (Medicina Tradicional Chinesa) e suas várias técnicas são as mesmas utilizadas em seres humanos. Porém, apenas o médico veterinário está apto a lidar com doenças, medicar, etc. Assim, somente médicos veterinários habilitados em acupuntura, podem exercê-la nos animais.

- As picadas das agulhas doem nos animais, eles sentem estas picadas?

Assim como nos seres humanos cada animal apresenta uma reação diferente quando é inserida a agulha, denominada “sensação da acupuntura” ou “Qi” e pode ser sentida como um formigamento, torpor, ou como uma “corrente elétrica” ou choque passando pelo corpo. Como os animais não têm consciência do que está se passando, às vezes podem reagir a um ou outro ponto, mas isto é facilmente esquecido e então o animal relaxa.

- Quantas sessões de acupuntura meu animal vai precisar?

Isto vai depender da patologia a ser tratada, do tempo que ela está presente, do grau de gravidade e da resposta individual de cada animal. Em média, a freqüência das sessões é semanal. Em casos agudos e mais graves, podem ser feitas duas vezes na semana ou mais. À medida que o animal vai melhorando, vai diminuindo a freqüência das sessões.

- Eu quero tentar o tratamento com acupuntura, mas não quero parar o tratamento alopático. Isto é possível?
 

Sim, porque esta terapia é complementar à terapia convencional. A questão das medicações deve ser discutida entre o clínico e o especialista que tentam chegar a um consenso do que é melhor para aquele animal, naquele momento. Visto que algumas medicações, como os corticosteróides podem diminuir ou anular a ação da acupuntura.

- Todas as doenças podem ser tratadas com a técnica. Quais resultados apresentados?

A prática clínica da acupuntura em animais esbarra em dificuldades inerentes à medicina veterinária tais como variação anatômica e fisiológica entre as espécies, necessidade de contenção em pacientes agressivos ou agitados. Porém, o encaminhamento de casos difíceis ou crônicos é prática comum, fazendo a casuística da acupuntura veterinária uma seleção de pacientes complicados.

Mas, quase todas as doenças podem ser tratadas com acupuntura, não somente para se obter o alívio da dor, como a maioria pensa. Quanto mais cedo se inicia o tratamento melhor e mais rápido se obtém o resultado como qualquer outro tratamento. As principais alterações tratadas são: problemas neurológicos, musculares, digestivos, urinários, dermatológicos, gatrointestinais, alívio da dor, paralisias e paresias dos membros anteriores e posteriores, cinomose, doenças degenerativas ou senis (da idade), problemas da coluna vertebral, estimulação do trabalho de parto, insuficiência renal, doença respiratória crônica e oculares.

- Também é possível tratar distúrbios emocionais, como ansiedade e agressividade,  por meio da acupuntura?

É possível sim. Hoje em dia é comum proprietários recorrerem a tratamentos com Medicina Complementar para tratar distúrbios que eles mesmos já perceberam ser de fundo emocional. Vale lembrar que a acupuntura não é mágica. O sucesso do tratamento depende de um trabalho em conjunto com os proprietários, manejo do ambiente e hábitos familiares, além de uma avaliação detalhada do comportamento do animal e da familia, nivel de exercício e disciplina importos a ele, e se possível, e extremamente recomendável, que o animal também passe por uma avaliação com profissional especializado em comportamento e psicologia canina. Para aimais extremamente agressivos, o sucesso da técnica esbarra na dificuldade de abordagem do animal, se ele ataca e nem o proprietário e capaz de ter controle sobre animal, ficará muito dificil a realização do procedimento.

- Os pontos de acupuntura podem sangrar?

Sim. Os principais motivos do sangramento ocorrem pela estagnação de energia no canal, e assim ao ser retirada a agulha a energia é liberada ocorrendo o sangramento, e também devido a congestão vascular local decorrente da patologia do animal.

Em alguns casos o sangramento é necessário, então o próprio profissional provoca a sangria de determinados pontos (pontos "Ting") como forma de tratamento para o animal.